COM RESPOSTAS - Administração Pública

R$ 59,90
R$ 49,90
ou 3 x R$ 16,63
. Comprar  
35 Questões de provas discursivas de ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA acompanhadas do espelho de resposta oficial da banca examinadora.
 
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO DE NOVAS QUESTÕES: OUTUBRO DE 2019
 
E-Book em PDF – É permitida a impressão.

Excelente material para consultar o histórico de provas discursivas anteriores da área, analisar os assuntos mais cobrados, nível de dificuldade das questões, formato das questões, padrões das bancas examinadoras, etc...
 
GRÁTIS - Atualizações de questões novas por 01 ano da data da compra.
 
O envio é feito por e-mail - 02 dias úteis (cartão de crédito ou débito) ou 03 dias úteis (boleto bancário).
 
Exemplos de questões discursivas:

Analista Judiciário - STM - Supremo Tribunal Militar - Ano: 2018 - Banca: CESPE - Disciplina:  Administração Pública - Assunto: Administração Pública - Na trajetória da administração pública brasileira, destacam-se o modelo burocrático, associado ao poder racional-legal, e o modelo gerencialista, representado pela nova administração pública. Discorra sobre os seguintes tópicos, relacionados a esses dois modelos: 1 contextos em que esses modelos surgiram; [valor: 9,00 pontos] 2 propósito de cada um desses modelos; [valor: 9,00 pontos] 3 princípios e práticas norteadores (apresente, ao menos, três para cada modelo). [valor: 20,00 pontos]
 
- Resposta: O modelo burocrático surgiu como oposição a um modelo de administração patrimonialista, que era altamente dependente da figura pessoal do governante e, assim, inseguro para a manutenção do patrimônio do Estado. Com o propósito de garantir eficiência administrativa, a Reforma Burocrática de 1936 adotou a lógica da burocracia weberiana, com parâmetros burocráticos estritos e centralização de atividades. O modelo burocrático era pautado em por formalismo, clareza nas definições hierárquicas, meritocracia, racionalidade impessoal, regras formais padronizadas, igualdade de tratamento de casos semelhantes e clareza na definição das relações de subordinação (Matias-Pereira, 2016). Como princípios norteadores para o modelo burocrático destacam-se: foco no cumprimento de responsabilidades pelos agentes administrativos, obediência dos agentes às regras e procedimentos, adoção de sistemas administrativos formalizados como estratégia para combater o nepotismo e a corrupção, foco no estabelecimento e adoção de processos, adoção de procedimentos claros, formalizados e unificados para a contratação de pessoal e aquisições de bens e serviços pela administração pública e controle de procedimentos. O modelo gerencialista, frequentemente associado à nova administração pública no Brasil, por sua vez, surgiu em oposição aos resultados insatisfatórios obtidos com a adoção das práticas associadas ao modelo burocrático — formalismo excessivo, baixa produtividade e elevado índice de insatisfação dos cidadãos quanto aos serviços públicos ofertados. Assim, trata-se de uma iniciativa gerada com o propósito de promover descentralização das atividades do Estado, autonomia para a gestão e ênfase na qualidade da prestação de serviços públicos por meio da incorporação de práticas típicas da gestão corporativa com busca da eficiência administrativa. Destaca-se, ainda, seu propósito para reduzir custos e tornar mais eficiente a administração dos serviços sob a responsabilidade do Estado (Matias-Pereira, 2016). Como princípios norteadores para o modelo gerencial, destacam-se: alcance de resultados valorizados pela sociedade, promoção de accountability e transparência nas ações do Estado, aumento da qualidade percebida para os serviços públicos prestados direta ou indiretamente pelo Estado, promoção de concorrência para serviços públicos, com oferta de escolha para os usuários, foco em promoção de resultados, visão do cidadão como cliente para os serviços públicos, combate à corrupção e ao nepotismo, adoção de indicadores de desempenho como mecanismos de controle e flexibilização das relações de trabalho na administração pública.
Veja também