Discursivas de Concursos Públicos de Psicologia

R$ 59,90
R$ 49,90
ou 3 x R$ 16,63
. Comprar  
195 questões de provas discursivas de concursos públicos para área de psicologia e para o cargo de psicologo e afins, inclui 85 questões com espelho de respostas da banca.

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO DE NOVAS QUESTÕES: OUTUBRO DE 2019
 
E-Book em PDF – É permitida a impressão.

Excelente material para consultar o histórico de provas discursivas anteriores da área, analisar os assuntos mais cobrados, nível de dificuldade das questões, formato das questões, padrões das bancas examinadoras, etc...
 
GRÁTIS - Atualizações de questões novas por 01 ano da data da compra.
 
O envio é feito por e-mail - 02 dias úteis (cartão de crédito ou débito) ou 03 dias úteis (boleto bancário).
 
Meios de Pagamento: PAGSEGURO ou PAYPAL – cartão de crédito, cartão de débito ou boleto bancário.
 
ATENÇÃO ! – Não são todas questões discursivas que acompanham o espelho de resposta da banca examinadora, somente aquelas que a banca disponibilizou, o que não ocorre em todos concursos. Caso tenha provas ou espelhos que não constam em nosso banco de dados, entre em contato que compramos e trocamos.
 
Dúvidas – questoesdiscursivas@gmail.com
 
Exemplos de questões discursivas:

Oficial de Inteligência - ABIN - Agência Brasileira de Inteligência - Ano: 2018 - Banca: CESPE - Disciplina:  Economia - Assunto: Economia - Considerando que o debate econômico sobre o papel moeda na economia de um país foi retomado com o surgimento das chamadas criptomoedas (ou moedas virtuais), redija um texto dissertativo abordando as funções da moeda [valor: 12,00 pontos], analisando as moedas virtuais no que se refere a essas funções [valor: 12,00 pontos] e discutindo o papel das autoridades monetárias na regulação das transações financeiras, principalmente no que concerne à possibilidade de realização de operações financeiras anonimamente [valor: 4,50 pontos].
 
 - Resposta: A moeda é um conveniente meio de troca, que evita o inconveniente da dupla coincidência de desejos das trocas econômicas. Com efeito, em uma economia monetária exige-se que a moeda desempenhe mais funções do que a de mero meio de troca. Ela deve ainda ser meio de pagamento, permitindo a liquidação de quaisquer direitos de terceiros em uma data futura; deve desempenhar a função de unidade de conta, de modo que os contratos de bens e serviços e, principalmente o contrato de trabalho, seja definido em termos da moeda; e deve desempenhar a função de reserva de valor. Com isso, o agente, ao demandar a moeda em detrimento de outros ativos da economia, ganha o direito de comandar, de forma imediata, o poder de compra, de armazenar riqueza ao longo do tempo e de comparar, diretamente, os diversos bens e serviços disponíveis na economia. No que se refere às criptomoedas, fica evidente que algumas das funções da moeda não são por elas desempenhadas: as funções de unidade de conta, de meio de pagamento e de reserva de valor deveriam ser plenamente contempladas para que equivalessem à moeda conforme descrita no parágrafo anterior. As evidências mostram que as criptomoedas são imprestáveis no atributo reserva de valor, devido à excessiva volatilidade de preço desses instrumentos. Pela mesma razão, perde-se a função de unidade de conta, pois o trabalhador não deve estar disposto a vender a sua força de trabalho em troca de instrumento imprevisível, como elevada volatilidade. Por construção, as criptomoedas poderiam se prestar a desempenhar a função de meio de pagamento, mas sem nenhuma vantagem aparente em relação aos demais ativos existentes na economia, a não ser pelo fato de terem como atributo o anonimato das transações. Por isso, muitas atividades ilegais e vinculadas ao tráfico de armas e ao financiamento do terrorismo estão utilizando, cada vez mais, as criptomoedas como meio de troca. Isso coloca um enorme desafio às autoridades monetárias dos países, não tanto no que diz respeito à substituição da moeda como atualmente conhecida, mas quanto às atividades de combate aos ilícitos e à lavagem de dinheiro.

Analista Judiciário - Psicologia - TRE-SP - Ano: 2017 - Banca: FCC - Disciplina: Psicologia - Assunto: Psicologia - ESTUDO DE CASO - Maria, 35 anos, divorciada, sempre foi considerada uma excelente funcionária por cumprir suas tarefas no prazo, com rapidez e eficiência. Sempre foi gentil, manteve amizade e colaboração com os colegas de trabalho. Há, aproximadamente, quatro meses, seu chefe imediato, Sr. Geraldo, começou a observar que Maria passou a cometer pequenos erros em suas tarefas, apresentava-se mais distanciada de todos e faltava ao trabalho. Nas suas ausências, suas tarefas profissionais eram atribuídas para os demais membros da equipe, que passaram a se queixar, tratando Maria com indiferença, isolando-a do grupo, acusando-a pelo excesso de trabalho. Ao ser chamada pelo Sr. Geraldo, para justificar uma tarefa que não cumprira o prazo, mostrou-se bastante irritada, descontrolou-se e respondeu agressivamente, referindo já ter feito o que lhe fora pedido. Depois, envergonhada, desculpou-se pelo comportamento. Diante desta situação, Sr. Geraldo orientou Maria a buscar um acompanhamento psicológico. Uma amiga a encaminhou para uma psicóloga cognitiva que havia atendido um conhecido com sintomas semelhantes ao dela. Nas entrevistas iniciais de avaliação diagnóstica, Maria relatou ter tido uma infância difícil, de grande vulnerabilidade social. Explicou que, há quatro meses, passou a ter pesadelos, sem recordar do conteúdo; às vezes, sentia-se sufocada durante o dia, transpirava muito e tinha palpitações, sem motivo aparente. Foi ao médico e não foi constatado nenhum problema orgânico que justificasse seu mal-estar. Também descreveu situações onde se sentia uma pessoa ruim, que não deve confiar em ninguém; muitas vezes, sentia medo, raiva e vergonha, contudo, restringia-se a descrever estes sentimentos sem associá-los a nenhum fato ou lembrança. Depois de muita resistência, Maria relatou à profissional não ter dito a ninguém que, recentemente, encontrou a filha de 16 anos em casa, chorando muito, referindo ter sido vítima de um assalto por dois homens, que apontaram uma arma para ela e a violentaram, ameaçando, a cada momento, que a matariam se contasse o ocorrido para alguém. Após isso, Maria passou a se sentir culpada por não ter protegido a filha, além de raiva, descrença nas pessoas e em Deus. Revive, diariamente, a cena que sua filha contou o assalto e o estupro, seus pesadelos são referentes a isso e seu mal-estar físico se relacionam à lembrança do ocorrido, mesmo esforçando-se muito para esquecer. Além disso, descreveu não conseguir concentrar-se, ter insônia, sentir-se sempre alerta, e ter perdido a alegria de viver, lutando diariamente para não pensar ou imaginar a cena de estupro da filha. Revelou ainda que, muitas vezes, sente-se como se estivesse fora de seu corpo, como se fosse uma observadora de si mesma, como se estivesse em um sonho. Diante dessa situação, responda, fundamentadamente: a. Qual hipótese diagnóstica, fundamentada no DSM − 5, a psicóloga pode construir a partir destas primeiras entrevistas com Maria? Justifique a resposta a partir dos critérios diagnóstico do DSM − 5. b. Tendo sido solicitado, pelo Médico do Trabalho, o parecer psicológico da funcionária, nomeie e descreva os itens que compõem a estrutura do parecer e como ele deve ser apresentado, de acordo com o previsto no Código de Ética Profissional (2005) e na Resolução CFP no 007/2003. c. Descreva três características básicas da psicoterapia cognitivista. 


Psicologia - Concurso: DETRAN-RO - Ano: 2014 - Banca: IDECAN - Disciplina: Psicologia - Assunto: Psicologia - Os testes psicológicos são considerados um importante instrumento de avaliação na rotina profissional do psicólogo. Considerando tais fatores, elabore um texto definindo o teste psicológico/bateria de testes, e discorra sobre alguns itens de relevância para a qualidade das medidas e do entendimento dos dados em um teste psicológico:  Definição, importância e dificuldades da fidedignidade de um teste psicológico;  Definição de validade de teste psicológico e seus principais conceitos: validade relacionada ao conteúdo, ao critério e a constructo.
 
- Resposta: O teste psicológico, normalmente, é designado de um conjunto de testes que recebe o nome de bateria de testes, que podem variar entre dois e cinco ou mais instrumentos, que são incluídos no processo psicodiagnóstico para fornecer subsídios que permitam confirmar ou infirmar as hipóteses iniciais. A fidedignidade pode ser definida em concordância com a língua portuguesa, que utiliza esse termo para representar a precisão e a consistência das escalas. A fidedignidade, considerada importante por ser uma maneira de medir um teste psicológico, é um teste pode ser medido de várias formas. Cada forma é apropriada para um tipo de teste e depende de que tipo de fidedignidade se quer medir. Em relação às dificuldades, a autora (Vianna 1973 apu Cunha, 2000) afirma que existem alguns fatores que podem afetar a fidedignidade do teste, portanto, devem ser evitados, tais como: uso impreciso de palavras, extensão exagerada do item, uso de palavras desconhecidas ou pouco familiares, dentre outros. Em relação à definição da validade, pode-se afirmar que ela trata do que o teste psicológico mede e através dos conceitos medidos. A validade relacionada ao conteúdo trata, basicamente, da questão do exame sistemático do conteúdo do teste, a fim de determinar se os itens cobrem uma amostra representativa do universo do comportamento a ser medido e para determinar se a escolha dos itens é apropriada e relevante. Já a validade relacionada ao critério aborda a qualidade da escala ou teste de funcionar como um preditor presente ou futuro, de outra variável. E, por fim, a validade relacionada a constructo trata do grau pelo qual um teste mede um constructo teórico ou traço para o qual ele foi designado para medir. Fonte: CUNHA, Jurema Alcides. Psicodiagnóstico V. 5. ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Artmed, 2000. p. 109, 160, 161, 163 e 164. TÁBUA DE CORREÇÃO – 6,0 pontos.  Fidedignidade: definição, importância e dificuldades. Valor: 3,0 pontos.  Validade: definição e principais conceitos. Valor: 3,0

Psicologia - Concurso: TJMA - Ano: 2009 - Banca: IESES - O stress emocional é um dos fatores significativos que contribuem para o desenvolvimento de uma série de doenças físicas e psicológicas. A produção de cortisol induzida pelo stress pode potencializar uma série de dificuldades inclusive ligadas ao desempenho na aprendizagem, na qualidade e ritmo de produtividade, bem como na convivência.  Pensando na sua prática profissional, cite o que é o stress emocional, como ele se desenvolve, quais suas fases e suas conseqüências, seu impacto na vida do indivíduo e na dos que interagem com ele.
 
 - Resposta: O candidato deve definir, conceituar o stress emocional, explicar todas as suas fases (fase de alerta, fase de resistência ou adaptação, fase de quase-exaustão e fase de exaustão) como se desenvolvem, como se passa de uma para outra no caso da continuidade até o nível máximo, bem como, quais conseqüências elas tem na vida do indivíduo (físicas, emocionais, sociais e organizacionais) e na vida dos que estão próximos.

Psicologia - Concurso: TRF3 - Ano: 2007 - Banca: FCC - Marta (nome fictício), 48 anos, realizou uma cirurgia plástica no nariz, com fins estéticos. Apesar de algumas garantias fornecidas pelo médico, os resultados ficaram muito aquém do esperado, chegando a causar-lhe diversos prejuízos na vida pessoal, profissional e social. Marta ficou com o rosto deformado e precisou pagar outras duas cirurgias, com outro médico, para retomar a aparência normal.O médico que realizou a primeira cirurgia nega ter prometido bons resultados para sua paciente. A paciente afirma que ele não só prometeu como lhe mostrou fotos eletrônicas de como poderia ficar seu nariz. O juiz determina estudo psicológico de Marta, uma vez que precisa ter clareza de que não se trata de alguém desequilibrada, tentando obter vantagens financeiras com um processo jurídico. Como o psicólogo organizaria esse estudo psicológico do ponto de vista metodológico? Justifique sua resposta. 

Psicologia - Concurso: IBRAM-DF - Ano: 2010 - Banca: FUNCAB - Considerando a importância do Psicodiagnóstico em Psicologia, José Bleger em “Temas de psicologia: entrevista e grupos.” (1980) disserta sobre a diferença entre “Anamnese” e “Entrevista Psicológica”, de acordo com suas características, funções e objetivos. Defina e relacione estas duas práticas. 
 
Veja também